terça-feira, 30 de abril de 2013

“Gay Revolucionário” – por "Michael Swift"


A Wikipédia alega que este é "apenas" um artigo satírico, escrito por "alguém" codinomeado Michael Swift, que "apareceu" na Gay Community News uma importante revista  da comunidade gay mas, segundo avaliação da Fordham University (Universidade Jesuíta de Nova Iorque), bem à esquerda da opinião da maioria dos gays e lésbicas americanos. Não obstante, o fato é que o artigo saiu nesta revista e, sendo ele constituído da palavra escrita e, tendo a palavra, como sabemos, poder, ele vem manifestando o seu poder.

A publicação foi feita em fevereiro de 1987, intitulada "Gay Revolutionary", que pode ser traduzido como "Gay Revolucionário" ou, de forma mais apropriada, "Revolução Homossexual" e descreve um cenário em que os homens homossexuais dominam a sociedade americana e suprimem todas as coisas que sustentam a sociedade de princípio heterossexual.

A margem de sustentação que alguns críticos (entre eles a Wikipédia) encontram para alegar que se trata de apenas um texto satírico é a primeira frase do artigo que em inglês é, literalmente: "This essay is an outré, madness, a tragic, cruel fantasy, an eruption of inner rage, on how the oppressed desperately dream of being the oppressor.", cuja tradução pode ser:

"Este ensaio é um ultraje, loucura, uma trágica e cruel  fantasia, uma erupção de raiva interior, sobre a forma como os oprimidos desesperadamente sonham em ser os opressores." Talvez o autor desse artigo quisesse, realmente, tão somente alertar contra alguma opressão que estivessem (ou estejam) sofrendo as minorias que fazem essa opção homossexual.

Mas  questão crucial nesta frase introdutória é que, a "fantasia" do heterossexual é uma e a do homossexual é outra. Deste modo, o texto do artigo, enquanto "fantasia" será tomado como "aquilo que não corresponde à realidade, mas que é fruto da imaginação" ao mesmo tempo em que pode ser "capricho da imaginação; devaneio, sonho" por alguns ou, pode ser tomado também, como "coisa falsa, ou de valor relativamente baixo" ao mesmo tempo em que pode ser "assombração, visagem, coisa fantasmagórica, horrorosa".

Nisso esse artigo foi efetivamente revolucionário pois, o fato é que foi a partir dele é que se passou a desencadear uma verdadeira guerra, a qual não sabemos ainda como se desenvolverá no futuro próximo e qual será o seu termo. Este artigo foi reimpresso no Congressional Record, o registro oficial dos trabalhos e debates do Congresso dos Estados Unidos, sem a referida linha de abertura, o que lhe dá uma feição de sombrio terrorismo.

Michael Swift é o pseudônimo do autor do escrito, provavelmente norte-americano, que até hoje é de uma identidade desconhecida e, o artigo, cuja tradução será transcrita mais abaixo é relevante porque indica a presença (muito negada ou bem disfarçada) de uma ala revolucionária no movimento gay. Uma ala não necessariamente significante em termos de quantidade de pessoas, mas essencialmente importante no impacto e difusão de suas idéias para o restante da população homossexual, quanto para lançar temores justificáveis para a maioria da população heterossexual.

Enquanto uma parcela dos militantes deste movimento busca apenas chamar atenção da população e das autoridades, para, de modo correto, pôr fim às violências contra pessoas homossexuais, outra parcela se aproveita disto como oportunidade para ir além e buscar “se impor” perante a sociedade. E é justamente esta parcela do movimento gay que pode ser vista como revolucionária.

Ser revolucionário não é apenas possuir uma ideia diferente de sociedade. Tal como escreve o filósofo Olavo de Carvalho, a mentalidade revolucionária consiste em um “estado de espírito, permanente ou transitório, no qual um indivíduo ou grupo se crê habilitado a remoldar, muitas vezes com o emprego da força, o conjunto da sociedade – senão a natureza humana em geral – por meio da ação política; e acredita que, como agente ou portador de um futuro melhor, está acima de todo julgamento pela humanidade presente ou passada, só tendo satisfações a prestar ao tribunal da História. [...] Habilitado a acusar e condenar todas as leis, instituições, crenças, valores, costumes, ações e obras de todas as épocas sem poder ser por sua vez julgado por nenhuma delas, ele está tão acima da humanidade histórica que não é inexato chamá-lo de Super-Homem”. O Super-Homem da filosofia de Friedrich Nietzsche.

Cabe ressaltar que a legitimidade do artigo abaixo foi bastante questionada: muitos acusaram a “direita cristã” de forjar tal documento, já que ela o divulgou amplamente a fim de mostrar a “periculosidade” do movimento gay. Todavia, por ser, na época, a Gay Community News um jornal semanal que funcionava como importante recurso para a comunidade LGBT, a ideia de sabotagem de oposição pode ser descartada. É óbvio que um único artigo não pode ser tomado como prova definitiva de um fato mas, porém, um conjunto de evidências pode tornar este fato mais verossímil. 

Porém, eu não me colocarei, aqui, dispostos a apresentar uma série de evidências a fim de revelar que uma agenda política vem sendo construída por revolucionários homossexuais, pois, eu creio que para isso, basta que os leitores fiquem atentos aos acontecimentos mais recentes em nosso Brasil. Todavia, como está sendo usada como massa de manobra política, ao invés de beneficiar a população gay, as ações de tal agenda buscam, tão somente, impor sobre toda a sociedade o pior que se pode esperar da esquerda política.

Bem, vamos ao texto do artigo:

_____________________________________________________________________________________

"Gay Revolucionário"

Este ensaio é um ultraje, loucura, uma trágica e cruel  fantasia, uma erupção de raiva interior, sobre a forma como os oprimidos desesperadamente sonham em ser os opressores.

Iremos sodomizar seus filhos, emblemas de sua frágil masculinidade, de seus sonhos superficiais e mentiras vulgares. Vamos seduzi-los em suas escolas, nos seus dormitórios, nos seus ginásios esportivos, nos seus vestiários, nas suas quadras de esportes, nos seus seminários, nos seus grupos de jovens, nos banheiros dos seus cinemas, nas casernas das Forças Armadas, nas paradas de caminhoneiros, em todos os clubes masculinos, nas suas Câmaras do Congresso, onde quer que haja homens juntos com homens. Seus filhos se tornarão nossos subordinados e farão o que mandarmos. Eles serão recriados à nossa imagem. Eles irão nos desejar e nos adorar.

Mulheres, vocês choram por liberdade. Vocês dizem que não estão mais satisfeitas com os homens; eles as fazem infelizes. Nós, conhecedores da face masculina, da psique masculina, tiraremos seus homens de vocês. Nós os divertiremos, os instruiremos; nós os abraçaremos quando chorarem. Mulheres, vocês dizem que preferem viver com outras mulheres a viver com homens. Então vão e fiquem com suas mulheres. Nós iremos dar aos seus homens prazeres que eles nunca conheceram porque em primeiro lugar nós também somos homens, e apenas um homem sabe como verdadeiramente dar prazer a outro homem; apenas um homem pode entender o íntimo e o sentimento, a mente e a alma de outro homem.

Todas as leis que proíbem a atividade homossexual serão revogadas. No lugar delas, legislações serão aprovadas e darão lugar ao amor entre homens.

Todos os homossexuais devem se manter unidos como irmãos; nós devemos nos manter unidos artisticamente, filosoficamente, socialmente, politicamente e financeiramente. Nós iremos triunfar apenas quando tivermos uma face comum diante do inimigo vicioso heterossexual.

Se você se atrever a gritar viado, bicha, boiola para nós, nós iremos esfaqueá-los nos seus corações covardes e corrompê-lo-emos mesmos mortos, seus corpos franzinos.

Vamos escrever poemas de amor entre homens, encenaremos peças em que um homem abertamente acaricia outro homem, vamos fazer filmes sobre o amor entre homens heroicos, os quais substituirão a ordinária, superficial, sentimental, insípida, juvenil, a paixão heterossexual que hoje domina as suas telas de cinema. Iremos esculpir estátuas de belos meninos, de vigorosos atletas que serão posicionadas nos seus parques, nas suas praças e quarteirões. Os museus do mundo estarão cheios de pinturas graciosas de jovens nus.

Nossos escritores e artistas transformarão o amor entre homens em algo de bom gosto e em moda obrigatória, e nós teremos sucesso porque somos peritos em definir estilos. Nós eliminaremos os vínculos heterossexuais através do uso de dispositivos de humor e da ridicularização, meios que estamos qualificados em empregá-los.

Vamos desmascarar os poderosos homossexuais que estão mascarados de heterossexuais. Vocês irão se chocar e se assustar quando descobrirem que seus presidentes e seus filhos, seus industriais, seus senadores, seus prefeitos, seus generais, seus atletas, seus astros de Hollywood, suas personalidades de TV, seus líderes cívicos, seus padres não são os seguros, homens de família, burgueses, figuras heterossexuais que você achou que fossem. Nós estamos em todos os lugares; estamos infiltrados nas suas fileiras. Tome cuidado quando falar de homossexuais porque estamos sempre juntos de você; podemos estar sentados na mesma mesa que você; podemos estar dormindo na mesma cama que você.

Não haverá compromissos. Não somos fracos da classe média. Somos altamente inteligentes, aristocratas naturais da raça humana, e como aristocratas duramente dispostos nunca nos satisfazemos com pouco. Quem se opuser a nós será exilado.

Iremos construir vastos exércitos privados, tal como Mishima1 fez, para derrotá-los. Nós conquistaremos o mundo porque guerreiros inspirados e unidos por amor e honra homossexual são invencíveis como eram os antigos soldados gregos.

A família como terreno de unidade reprodutora de mentiras, traições, mediocridades, hipocrisias e violências será abolida. A unidade familiar, a qual apenas amortece a imaginação e marginaliza o livre arbítrio, deverá ser eliminada. Meninos perfeitos serão concebidos e criados geneticamente em laboratórios. Eles se unirão em uma configuração comum, sob o controle e a educação de sábios homossexuais.

Todas as igrejas que nos condenam serão fechadas. Nossos deuses serão formosos meninos. Nós aderimos a um culto de beleza, moral e estético. Tudo que é feio, vulgar e banal será aniquilado. Já que somos alienados das convenções heterossexuais de classe média, nós somos livres para viver nossas vidas de acordo com o que dita a pura imaginação. Para nós o demais não é suficiente.

A sociedade primorosa a emergir será governada por uma elite composta de poetas gays. Um dos principais requisitos para ocupar uma posição no poder desta nova sociedade de homoerotismo será a indulgência com a paixão grega. Qualquer homem contaminado com a luxúria heterossexual será automaticamente impedido de continuar ocupando um cargo de influência. Todos os homens que insistirem em continuar idioticamente como heterossexuais serão julgados em tribunais de justiça homossexual e se tornarão homens invisíveis.

Nós reescreveremos a história, a história adulterada cheia de mentiras e distorções heterossexuais. Iremos retratar a homossexualidade dos grandes líderes e pensadores que moldaram o mundo. Iremos demonstrar que a homossexualidade, a inteligência e a imaginação estão inextricavelmente ligadas, e a homossexualidade será um requisito para a verdadeira nobreza e beleza de um homem.

Nós seremos vitoriosos porque estamos abastecidos com a amargura feroz dos oprimidos, os quais foram forçados a desempenhar papéis de aparência nessa sua burra e heterossexual mostra ao longo dos tempos. Nós também somos capazes de disparar armas e armar barricadas para a revolução final.

Tremam, seus porcos heterossexuais, quando aparecermos diante de vocês sem nossas máscaras. 

____________________________________________________________________________________

Ora, pois, se o conjunto de ameaças contido neste texto é apenas uma "pilhéria fantasiosa", quão terrível intenta se mostrar tal pilhéria!

Mesmo eu não sendo homofóbico no sentido estrito da palavra, porquanto "fobia" implica em "medo" e, sendo "o Senhor Jeová a minha luz e a minha salvação; de quem terei temor? O Senhor é o meu forte refúgio; de quem terei medo? Quando homens maus avançarem contra mim para destruir-me, eles, meus inimigos e meus adversários, é que tropeçarão e cairão. Ainda que um exército se acampe contra mim, meu coração não temerá; ainda que se declare guerra contra mim, mesmo assim estarei confiante." (Salmos 27:1-3)

Todavia, eu tenho, sim, objeção de consciência com respeito a opção homossexual pois, eu tenho uma religião pessoal com o meu Deus. De fato, a verdadeira religião não consiste em formas, em cerimônias, em regras, em leis e mandamentos. A verdadeira religião está baseada num íntimo relacionamento com o Deus verdadeiro. Ele é o meu Deus, é a minha Luz, Ele me ajuda pessoalmente, individualmente.

Para que o meu Deus me salve e me guarde, continuamente, como convém que se faça a mim neste mundo opressor, que jaz no poder do que é mau, me livrando a cada dia e confundindo os meus inimigos, eu preciso, sim, manter objeções de consciência daquilo que Ele requer que eu mantenha objeção. E isso, caro camarada, é algo inegociável sob qualquer circunstância.

Ora, já me bastam as minhas próprias fraquezas para servir-me como pedras de tropeço e, se eu tivesse que me tornar como um rebelde e passar a ser, por justa medida, rejeitado por meu Deus, porque eu iria acrescentar a mim mesmo ainda mais peso vindo de ti, oh sátiro, apenas para te agradar? Mesmo sendo  como um ramo fraco e ressequido enxertado em uma videira forte, mantendo eu a minha posição, as ervas daninhas não poderão me alcançam.

Não se iluda, sábio que pensa que é pois, dentro daqueles que se fazem humildes por amor do Reino de Deus, existe, mortificado pela misericórdia de Deus, um "aristocrata" ainda maior que você. De modo que, se assim tivesse que acontecer de eu morrer para o meu Deus, eu iria querer morrer do meu próprio veneno, até ser podado da videira e lançado a um solo limpo bem cuidado, ainda continuaria a servir de nutriente para ela, de modo que, o teu safo veneno de tinhorão, continuaria a ser somente para ti mesmo.

No entanto o mesmo Deus que me livra, também me comissiona para algo que a mim me parece bem simples: "Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura." (Marcos 16:15). Mas ninguém, seja heterossexual ou homossexual é obrigado a ouvir-me em minha comissão, antes, deveras eu espero que haja desatenção e, mesmo, oposição. Mesmo não desejando ser pesado aos seus ouvidos, simplesmente eu não posso deixar de pregar como Jesus pediu. Todo cristão ou é um missionário ou é um impostor mas, onde a palavra é recusada, ela já foi pregada e a missão do crente está cumprida e, o que vem depois, é coisa que somente a Deus pertence.

"Estas foram as suas instruções: "Não levem nada pelo caminho, a não ser um bordão. Não levem pão, nem saco de viagem, nem dinheiro em seus cintos; calcem sandálias, mas não levem túnica extra; sempre que entrarem numa casa, fiquem ali até partirem; e, se algum povoado não os receber nem os ouvir, sacudam a poeira dos seus pés quando saírem de lá, como testemunho contra eles"". (Marcos 6:8-11)

Por mais que eu ame ao meu semelhante, seja esse alguém amigo ou inimigo, o limite desse amor será igual ao tamanho do amor com o qual eu amo a mim mesmo e, sempre, menor do que o amor com que eu amo a meu Deus. Quem ama desmedidamente é Deus e não eu. Sou homem mortal e não é da minha força, sequer, que se possa converter outro alguém a Deus pois, é somente pela graça do Espírito do próprio Deus que se pode causar, verdadeiramente, o atrair alguém a Jesus. É ai que está a graça!

Nisso eu concordo com Charles Haddon Spurgeon: " ... somos constrangidos a pregar o evangelho, mesmo que nenhuma alma jamais seja convertida por ele; pois o grande propósito do evangelho é a glória de Deus, visto que Deus é glorificado mesmo naqueles que rejeitam o evangelho." Entretanto, eu discordo do mesmo quando ele diz dos políticos: “Eu tenho ouvido, ‘Não traga a religião para a política’. É precisamente para este lugar que ela deveria ser trazida e colocada ali na frente de todos os homens como um candelabro”.

Se eu prego a um político enquanto homem que somos eu e ele, muito bem eu faço mas, se eu desejo fazer com que o Estado venha a assumir o Evangelho, ele não conseguirá fazer outra coisa se não, inexoravelmente, pervertê-lo. Somente o Senhor Jesus poderá instituir a teocracia que desejamos, que foi planejada pela graça do Pai e que nós aguardamos, quando da volta do Filho. Nenhum corpo governante humano, por mais dedicado e esforçado que se faça, tem conseguido ou mesmo conseguirá, algum dia, atingir isso, antes que volte aquele que "convém que o céu contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio." (Atos 3:21).

Teocracia por governos das nações humanas: Nunca será! Mesmo tendo o Espírito Santo, nisso vale de maneira máxima e literal a mensagem que Jesus deixou: "... sem mim nada podeis fazer." (João 15:5). Por que devo eu temer se Deus, querendo mostrar a sua ira e tornar conhecido o seu poder, (Ele continua) a suportar com grande paciência os vasos de sua ira, (os governos das nações), preparados para destruição? (Romanos 9:22). Porque assim o Senhor me disse com mão forte, e me ensinou que não andasse pelo caminho deste povo, (me) dizendo: “Não deveis dizer: ‘Conspiração!’ no que se refere a tudo de que este povo está dizendo: ‘Conspiração!’ e não deveis temer aquilo de que eles têm medo, nem deveis estremecer diante dele. Jeová dos exércitos - é a Ele que deveis tratar como santo e Ele deve ser o objeto de vosso medo, e Ele é quem vos deve fazer estremecer.” (Isaías 8:11-13).

Também é pelo temor que eu tenho desse mesmo Deus, que eu não posso querer odiar, nem os políticos nem os homossexuais, nem meu pior inimigo, enquanto eles são seres humanos, criaturas de Deus como eu, "pois (a minha) a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais." (Efésios 6:12). As escolhas do mundo não me apetecem e, portanto não podem me aborrecer, então, se alguém não pode servir a Deus, que fique a vontade com a suas próprias opções, incluindo a sexual. Se "Não podereis servir a Jeová, porquanto é Deus santo, é Deus zeloso, que não perdoará a vossa transgressão nem os vossos pecados." (Josué 24:19), então, amém, glórias a Deus, aleluias!

Eu tão somente sou compelido a te avisar: saiba que agindo assim, você mesmo pode estar tornando sua transgressão incontrita e seus pecados contínuos e, por isso, de certo morrereis. Mas, "Se vos parece mal aos vossos olhos servir a Jeová, escolhei hoje a quem sirvais; ...  porém eu e a minha casa serviremos a Jeová." (Josué 24:15), por isso, acautele-se e tomai muito cuidado quando a sua alma se enfunar e você se achar num incontido desejo de se lançar contra mim, pensando lograr êxito em me destruir, por que Deus me ama e tem terrível ciúmes por mim. "Ou pensais que em vão diz a escritura: O Espírito que Ele fez habitar em nós anseia por nós até o ciúme?" (Tiago 4:5)

Entendam que somos forçados a levar a mensagem do nosso Deus: "Se eu disser ao ímpio: Oh, ímpio, certamente morrerás; e tu não falares, para dissuadir ao ímpio do seu caminho, morrerá esse ímpio na sua iniquidade, porém o seu sangue eu o requererei da tua mão. Mas, se advertires o ímpio do seu caminho, para que dele se converta, e ele não se converter do seu caminho, ele morrerá na sua iniquidade; mas tu livraste a tua alma." (Ezequiel 33:8-9).

Além do mais, nós temos a promessa da volta do nosso Rei Jesus e ela é condicionada a isso: "E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim." (Mateus 24:14). "O fim", para nós, não é algo ruim, muito pelo contrário, é algo desejável e ansiado, é o estabelecimento do Reino de Deus, um reino de paz eterna para toda a humanidade.

Entendam, também, de uma vez por todas, que criticar a condutas homossexuais no meio da congregação dos crentes cristãos é algo que jamais poderá ser revogado por lei de nações (como, supostamente, pode pretender a PEC 122) pois isso é um decreto de Deus: "E não te deves deitar com um macho assim como te deitas com uma mulher. É algo detestável." (Levítico 18:22). “E quando um homem se deita com um macho assim como alguém se deita com uma mulher, ambos realmente fazem algo detestável. Sem falta devem ser mortos. Seu próprio sangue está sobre eles." (Levítico 20:13).

Obvio que nós mesmo não temos, de modo algum, matado as pessoas que têm opção homossexual. Tão pouco são os verdadeiros cristãos a engrossar estatísticas de violência contra homossexuais. Mas, nas congregações cristãs, não se pode viver mantendo tal conduta, de modo que, os que o fazem, já estão mortos para elas e essa ordenança nos temos mantido empregando o ensino pacífico, passado de geração em geração, já por muitos séculos e, mesmo debaixo de muitas perseguições, em várias épocas e nações. Eu tenho certeza que, muitos daqueles que se mantêm firmes na sua opção homossexual, nem sequer desejam estar em meio aos cristãos, creio, eles tem sabido encontrar associações com seus pares de afinidades, fora da congregação dos que amam e seguem a Palavra do Deus vivo que está na Bíblia.

Se vocês tentarem nos proibir a isso, estarão nos condenando a andar margem da nossa lei de nação, e vocês serão obrigados às providências legais que vocês mesmos se propuserem contra nós e, nós, não sendo rebeldes a Deus, teremos que continuar ensinando e cuidando disso, sempre da mesma forma como temos feito, com o ensinamento pacífico, mesmo estando em cadeias pois, "Pedro e os outros apóstolos responderam: "É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens! ..."" (Atos 5:29).

Eu não temo, em verdade, pela minha própria vida mortal diante disso mas, atento para um possível terrível erro histórico cometido no Brasil, ao se tornar o primeiro pais, neste milênio, a começar a reprimir o cristianismo. Considerem que talvez possa se tornar extremamente inconveniente perseguir o cristianismo, quando, na verdade, cada um de vocês, tem sempre o pleno direito de rejeitar para si o evangelho de Jesus Cristo.

No entanto, eu compreendo, perfeitamente, que bem pode ser, mesmo, essa a vontade de Deus, na condução de eventos já há muito anunciados. "Porque é louvável que, por motivo de sua consciência para com Deus, alguém suporte aflições sofrendo injustamente. Pois que vantagem há em suportar açoites recebidos por terem cometido o mal? Mas se vocês suportam o sofrimento por terem feito o bem, isso é louvável diante de Deus." (1 Pedro 2:19-20)

Mas ver as nossas crianças sofrendo assédios imundos e abusos torpes nas escolas por parte do governo que nós financiamos, ai já é demais ... (vejam o vídeo abaixo em que a Dr. Damares Alves denuncia e apresenta uma boa parte de TODO O LIXO FÉTIDO que o governo brasileiro esta despejando nas escolas públicas da nossa infeliz nação):



(1) Provavelmente se refere a Yukio Mishima (三島由紀夫 Mishima Yukio) é o nome artístico utilizado por Kimitake Hiraoka (平岡公威 Hiraoka Kimitake), novelista e dramaturgo gay japonês mundialmente conhecido por romances como "Confissões de uma Máscara" ( (仮面の告白 Kamen no Kokuhaku), "O Templo do Pavilhão Dourado" (金閣寺 Kinkaku-ji) e "Cores Proibidas" (禁色 Kinjiki). Escreveu mais de 40 novelas, poemas, ensaios e peças modernas de teatro Kabuki e Nô.

terça-feira, 23 de abril de 2013

O Mito da "Matéria Escura" sob uma "Ótica Física Realista" - Parte 1


No momento do "big bang" o espaço surgiu num repente, enquanto um ponto infinitesimal contendo toda matéria do universo, sendo inserida neste espaço, explodia. De lá para cá, o volume da região ocupado pela matéria real no universo sempre esteve em expansão.

Pouco importa se nós se nós considerarmos que o espaço livre que existe para ser ocupado por matéria seja finito ou seja infinito, o fato é que ele é imenso e, originalmente "cheio de vácuo", de modo que, de fato,  mesmo havendo se passados tantos bilhões de anos, a aglomerado de matéria que foi fracionada pelo big bang, ainda está em movimento e, ainda não se espalhou o suficiente pelo espaço, para ocupá-lo todo. Ainda há muito, muito vácuo, tanto externamente à região que já foi ocupada, quanto internamente, em bolsões, que estão diminuindo aos poucos.

Então aquilo que existe mesclado no meio do aglomerado de matéria fracionada e, mais ainda, para além da regão já ocupada do aglomerado de matéria, e que os cientistas chamam de "matéria escura" nada mais é do que "vácuo".

É um vácuo extremo, do lado de fora da área já ocupada pela matéria que, por puramente existir, provoca uma permanente sucção de toda matéria para a "direção de fora", mantendo o aglomerado de matéria fracionada em permanente expansão de volume ocupado dentro do espaço disponível. Nesse contexto o vácuo físico é considerado como um fluido de dipolos gravitacionais virtuais e isso serviu de apoio para explicar, matematicamente, a questão quântica envolvida nisso.

A explicação matemática, via conceitos da física quântica, proposta a partir de 2011 pelo cientista físico Dragan Hajdukovic Austerlitz do CERN (European Organization for Nuclear Research), está aos poucos ganhando mais e mais adeptos na comunidade científica. Mas eu considero ela totalmente desnecessária para quem tem "feeling", ou seja, senso do universo, mesmo que baseado apenas em algum parco conhecimento da física mecânica tradicional pois, o fato é bem simples, acessível ao entendimento de qualquer mortal: UM ÁTIMO ANTES do big bang havia o ESPAÇO IMENSO e ele ERA VÁCUO.

Imagine um pequeno recipiente contendo ar comprimido em seu interior e sendo ele, repentinamente aberto, dentro de uma grande sala contendo vácuo. Então, isso é semelhante a matéria real original do universo e o vácuo a matéria escura. O espaço vazio, o vácuo que contorna toda parcela do universo onde já há matéria real, sugando-a para fora, continuamente.

Assim, atraído pelo enorme vácuo periférico, o aglomerado de massa fracionada universal está em continuo movimento para fora, ocupando cada vez mais a região do vácuo, reduzindo pouco a pouco a própria “matéria escura” a com ela a “energia escura” mas sem aumentar a quantidade de matéria real. Mas esse movimento para fora acaba sendo a resultante do todo, pois em cada fragmento de matéria é combinado com outros vetores de movimento, determinado pela gravidade entre corpos de matéria real.



Nesse processo, não há, necessariamente, espaço novo sendo criado e nem matéria nova sendo criada, todavia, estamos falando de um espaço que já era de proporção incomensurável, um átimo antes do big bang. O meu senso criacionista sugere que esse espaço surgiu de uma forma diferencial no tempo (de próximo a zero até próximo a infinito num átimo) e de uma quantidade de matéria magnífica, contida em um único corpo de dimensão ínfima, que foi fracionada desde o princípio (se tornando, aos poucos, em galáxias, nebulosas, aglomerados de galáxia, buracos negros ou qualquer outra coisa que constitua um subsistema de fração material real existente em meio ao universo, ou mesmo bolsões de vácuo que foram sendo engolidos (a matéria escura mítica)), sendo reduzidos mas, também se movendo no interior da região de matéria.

A resultante de todos os movimentos de cada fração é no sentido da expansão do volume que é ocupado pela matéria fragmentada, dentro do espaço livre total (que em sua origem, antes da inserção da matéria, continha apenas vácuo perfeito).

Em teoria, duas formas são propostas como parcelas componentes da energia escura: uma  é a chamada Constante Cosmológica, uma densidade de energia constante a preencher o espaço de forma homogênea. A constante cosmológica é fisicamente equivalente a energia do vácuo. A constante cosmológica é fisicamente equivalente a energia do vácuo e explica a constante expansão do volume do aglomerado de matéria fracionada do universo. No entanto, campos escalares de quantidades dinâmicas cuja densidade de energia pode variar no tempo, e campos escalares que variam no espaço, geralmente são contribuições também incluídas.

Ainda em teoria, a física quântica e a física clássíca continuam inconciliáveis, enquanto que precisam ser pressupostas novas partículas como WIMP - Weakly Interacting Massive Particles (partícula massiva que interage fracamente, em inglês), como componentes teóricos da matéria escura, assim como os MACHOs (MAssive Compact Halo Object, Objeto com Halo Compacto e Grande Massa). WIMPs seriam partículas que não interagiriam com com a matéria visível por nenhuma força mais intensa que a força fraca, exceto pela força gravitacional. Enquanto físicos das partículas geralmente aceitam WIMPs como a melhor explicação para a matéria escura, astrofísicos tendem a aceitar a estelar dos MACHOs. Os MACHOs já foram o modelo mais largamente aceito, mas poucos foram encontrados. Desse modo, WIMPs são um modelo mais aceito atualmente - embora nenhum ainda tenha sido observado

Velocidades relativas: 


Parece-me natural que as frações materiais existente nas regiões mais próximas à região periférica do aglomerado de massa universal fragmentada, por se encontrarem mais próximas da região do vácuo externo, tenda a se mover para fora numa velocidade superior à das frações de matéria existentes na região mais para o interior da aglomerado de matéria universal.

Assim, mesmo que tanto uma fração material mais exterior, quanto uma fração material mais interior estejam, ambas, na verdade, desde o momento original com seus vetores de movimentos ordenado pelo "big bang" submetidos a efeito de conjugado de desaceleração, tendendo, evidentemente, a perder velocidade, as diferenças de desaceleração de uma e de outra criam a “ilusão observável” de um conjugado de aceleração. 

Analogamente, isso é como se dois carros de corrida estejam seguindo um atrás do outro, numa mesma velocidade constante, mas, repentinamente o carro que segue atrás, por uma razão qualquer, começe a perder velocidade. Se isso ocorre indiferente ao comando de aceleração do piloto do carro e, se ele mantiver a atenção dos seus olhos focados no carro da frente, durante algum tempo ele terá a ilusão que ele continua em velocidade constante e que o seu adversário foi quem acelerou. Essa ilusão só cessará quando o piloto passar observar outros corpos parados ao lado da pista, percebendo que é ele quem perde velocidade.

Além do mais, a medida que se expande, o aglomerado de massa universal “segue engolindo”, bolsões de vácuo, que vão ficando presos em seu interior e que passam a interagir com as frações de matéria existentes, podendo modificar os movimentos chamados de aleatórios, modificando, também a resultante de cada parcela mas, mantendo o sentido dos vetores do movimento ordenado pela explosão inicial.

Assim, enquanto o universo se expande, irão existir muito mais e maiores bolsões de vácuo (matéria escura) nas regiões periféricas do que no interior do aglomerado frações de massa universal. Isso pode servir de pista para nos levar próximo ao centro do universo, a região do espaço da origem "big bang", onde, além de ainda não haver mais “matéria escura”, pode haver maior concentração de “buracos negros”. Todavia, experimentos recentes detectam aquilo que é chamado de "matéria escura" existe, preso, mesmo no interior de galáxias, e não como pressuposto, apenas em halos de borda.

Deste modo, não necessariamente o espaço todo esteja expandindo mas, apenas parcela do espaço ocupado pela matéria o está, de modo que comportamento do aglomerado de matéria do universo , principalmente por ser toda fracionada, se expandindo dentro do espaço vazio, tem um comportamento semelhante ao de, por exemplo, uma certa massa de ar comprimido que for, repentinamente, liberada no interior de um grande reservatório de vácuo. Uma vez repentinamente libertada, a matéria se vê submetida a um enorme diferencial de pressão e a massa de ar explodirá, a priori num movimento predominantemente ordenado, com partículas se movimentando no sentido da expansão do material no interior do volume vazio, em todas as direções.

Todavia, desde o inicio existem, também, movimentos rotacionais das partículas de ar que forem expelidas, o que tende a fazer com seus movimentos ordenados pela explosão descrevam curvas e não linhas retas, provocando, desde imediatamente após a explosão, colisões entre elas. Tais colisões acarretam ainda mais desvios, resultando numa combinação complexa do movimento ordenado pela explosão, com múltiplos outros movimentos aleatórios, dominando cada fração da matéria, até que o ar, agora expandido, consiga ocupar todo o volume disponível de maneira quase homogênea. Então o movimento ordenado (a expansão) cessa mas, restará ainda os movimentos aleatórios.

Assim, o fim da expansão (na prática existirá um contínuo decaimento  da velocidade da expansão) não representará, de modo algum, necessariamente, o fim dos movimentos das frações de matéria do universo. Para aceitarmos isso basta olharmos para a nossa própria atmosfera, ou seja, a atmosfera terrestre. Quando relacionamos as forças que afetam o movimento atmosférica, nos sentimos muito a vontade para fazê-lo, considerando a Terra e sua atmosfera como um sistema hermético, onde os movimentos das massas atmosféricas não dependam diretamente de nenhuma influencia vinda do espaço exterior.

Costumamos relacionar a força de gradiente de pressão, que movimenta o ar das regiões de alta pressão para as regiões de baixa pressão mas, essa por si só, poderia cessar caso a pressão se tornasse homogênea em toda atmosfera, mas é impossível que isso aconteça, por interação de uma grande numero de outras forças.

Podemos mencionar a força inercial de Coriolis, desvia objetos em movimento à esquerda no hemisfério sul e para a direita no hemisfério norte. Mas esta força é um componente suplementar da força centrífuga e, portanto, relativa ao movimento de rotação da Terra. Estaria todo o aglomerado de massa fracionada do o universo em movimento de rotação agora. Muito provavelmente sim, só não sabemos o quanto esse movimento pode ser considerável ou insignificante.

Já que um espaço absolutamente vazio, que foi aquele por onde a matéria expelida na "linha de frente" do "big bang" teve (e ainda tem) que trafegar, tende a ser algo bastante homogêneo, o fato do universo todo entrar em rotação ou não, após ter sua matéria expelida a partir do seu ponto infinitesimal original, só depende do “efeito de curva” causado sobre os vetores de movimento de cada fração, no exato momento de inicio desses movimentos.

Já que um único ponto infinitesimal pôde conter toda a matéria do universo, o que impediria, então, que tal ponto já estivesse em um movimento rotacional no momento de sua explosão. Se isso ocorreu, então o universo foi gerado em movimento de rotação e, se o universo como um todo apresentar um movimento de rotação, então ele tem, também, um sentido de giro e, pode até mesmo apresentar polos magnéticos.

A Questão da Temperatura:


Na nossa atmosfera, a gravidade também atua perpetuando movimentos nela, fazendo com que o ar que sofra aquecimento se expanda, fique menos denso e suba. Mas isso não ocorre só por causa da gravidade mas, também ocorre porque, via de regra, os gases não são bons condutores para trocas de calor, de modo que uma dada massa de ar aquecido consegue subir mais e mais na atmosfera, com pouca perda durante a subida e precisará permanecer um certo tempo naquela região alta, até perder energia térmica, perdendo temperatura.

O ar de baixa altitude aquecido ao subir deixa "atras de si", uma zona de baixa pressão que tende a ser ocupado por um ar mais frio, é mais denso, que desce. As diferenças de temperatura de distintas massas de ar em uma mesma altitude provocam, assim, movimentos laterais que são os mais comuns de nos sentirmos sobre a superfície da terra (ventos) mas, o sobe e desce das massas também são ventos. Além do mais, ainda existe as precipitações de gases em forma liquida formando piscinas no fundo dos vales da Terra.

Também o relevo da terra interage com esses movimentos, com objetos de superfície causando atritos e modificando as direções e reduz a velocidade. Isto é especialmente importante nas regiões de montanhas e mesmo nos desfiladeiros urbanos do centro das grandes cidades. Essas todas são algumas das forças que atuam perpetuando os movimentos atmosféricos e que, analogamente, se assemelham àquelas que poderão perpetuar o movimentos "aleatórios" das frações de matéria do universo, ou seja, enquanto houver diferença de temperatura entre os corpos.

Todavia, quando chegarmos a este ponto, já não será mais possível identificar facilmente o local do centro do universo. Mas, onde é o centro do Universo? Um dos aspectos desconcertantes de toda a ideia do “big bang” é a noção de que o Universo não tem um centro. Ora, o “big bang” apesar da sua enormidade, foi uma explosão, assemelhada ao que entendemos como uma qualquer explosão típica qualquer, então podemos ser tentados a identificar a fonte da explosão como sendo o centro.

Por exemplo, quando detonamos dispositivo de fogo de artifício, se tiramos uma foto dele em seguida, os limites externos da figura formada pelos pontos brilhantes das frações incandescentes irão marcar os limites da explosão e ainda sugerirão as direções de cada fragmento, seja externo ou não, nos daria uma ideia de onde a explosão começou e, posteriormente, precisar o seu centro.

Além disso, se houver um ponto de origem, ou centro do “big bang”, semelhante às explosões típicas, esse ponto e as regiões próximas a ele, por um bom tempo, seriam comparativamente mais quentes do que todos os outros. Ou seja, como você se mover mais longe do centro de uma explosão típica, você esperaria medir temperaturas mais baixas (pelo menos durante um tempo).


É claro que se apontamos para o corpo de uma estrela, bem como para as regiões bem próximas a elas, estas regiões serão mais quentes do que as regiões longe delas mas, quando os cientistas realizam  medições, apontando os seus detectores em todas as direções, as leituras obtidas indicam que o universo é, em geral, homogêneo em termos de temperatura.

Se conseguimos focar para muitas galáxias, incluindo, assim, as estrelas que as compõem, vemos que não há uma região que considerável se destaque como relativamente mais quente do que o resto e uma imagem global homogênea aparece do universo olhado termicamente. A princípio isso pode fazer muitos pensar que o centro ou ponto de origem da explosão possa, mesmo, não pode existir. Mas também deve-se considerar a hipótese de que ele não possa mais ser detectado e, sendo assim, isso apenas indica que, devido ao tempo já decorrido, a temperatura pode não ser mais um indicador capaz de informar o centro do universo.

Alguns filmes recentes de Hollywood mostram pessoas instantaneamente se solidificando ao congelamento quando expostos ao vácuo. Numa delas, o "cientista personagem" mencionou que a temperatura era de "menos 273 ºC" - isto é, o zero absoluto.

Mas em um sentido prático, o espaço, se vazio, realmente não têm uma temperatura - você não pode medir a temperatura em um vácuo, mesmo não sendo um vácuo totalmente perfeito, é como querer medir a temperatura de algo que não está lá. As moléculas residuais que eventualmente existam não são suficientes para ter efeito. O espaço não é "frio", e nem é "quente", ela realmente não é nada.

A temperatura termodinâmica é medida com escalas que utilizam a temperatura teoricamente mais baixa como o seu ponto zero ou nulo. Neste ponto, o chamado zero absoluto, os componentes das partículas de matéria têm movimento mínimo e não pode tornar-se mais fria.

Na descrição da mecânica quântica, a matéria em zero absoluto é em seu estado fundamental, que é o seu estado de menor energia. Temperatura termodinâmica é, portanto, muitas vezes também chamada temperatura absoluta. Assim, a temperatura reflete a "agitação da matéria".

A temperatura é uma propriedade intensiva, o que significa que é independente da quantidade de material presente, em contraste com a energia, uma propriedade extensiva, que é proporcional à quantidade de material no sistema. Por exemplo, uma minúscula centelha pode muito bem ser (mesmo que brevemente!) tão quente quanto o sol.

Não havendo matéria alguma no vácuo, consequentemente não há, também, temperatura alguma mas, o espaço é, no entanto, é um bom isolante térmico (o vácuo é o segredo por trás de garrafas térmicas). Astronautas tendem a ter mais problemas com superaquecimento do que em manter-se aquecido.

Se você foi exposto ao espaço sem um traje espacial, sua pele se sentir um pouco mais fresco, devido à água evaporando-lhe a pele, levando a uma pequena quantidade de resfriamento evaporativo. Mas você não iria congelar!

A Questão da Luz:


Após tanto tempo, a luz originada do “big bang” já pode ter-se ido há muito. Se o espaço disponível for infinito, essa luz se foi e, jamais será vista novamente. No entanto, se o espaço tem fronteiras e, se essas fronteiras puderem refletir a luz, a luz original pode já ter-se espalhado em múltiplas direções e, inúmeras vezes e recombinando-se com a radiação emitida por todas as demais entidades cósmicas emissoras de luz, encheu o céu em todas as direções.

"Vejo Deus Se movimentando através dos desertos, partindo do Monte Sinai. Seu brilhante esplendor enche a terra e o céu. Sua glória enche o céu. A terra fica cheia de louvor a Ele! Que Deus maravilhoso é o Senhor!" (Habacuque 3:3)

A cosmologia contemporânea já mudou para baseia-se no pressuposto de que a proporção bariônica para a matéria escura é uma constante, não mudando com o tempo, desse modo torna compatível que, essa razão diminua com a expansão do universo.

Mais maravilhoso e intrigante do que o Universo Físico (com ou sem Multiversos no Hiperespaço, com ou sem um super Universo Multidimensional, ou outros versos confabuláveis), só mesmo o Deus o que o criou.

Deus não apenas criou o "tudo o que há de físico", a partir do "nada físico", como o fez de modo que "tudo que há de físico" "ficasse existindo", por "tempo indeterminado", com absolutamente tudo, "rodando" no "Modo Automático".

Dai o fato de que, com nossa capacidade, podermos atingir compreender as suas leis. Mas só uma coisa, além do próprio Deus, parece ser algo infinito: a nossa sede por saber! Não nos contentamos com os limites administrados por Deus.

"Pois em parte conhecemos e em parte profetizamos;" (1 Coríntios 13:9). Como havemos de nos conformar com tamanha "intrigância" (!), que nos é esfregada na face para onde quer que nós voltemos os nossos olhos?

Simplesmente não podemos pois, o nosso impulso à ciência, também é algo "ligado no automático" e isso é coisa que, também, acontece pela permissão de Deus!

Todavia, por um tempo, de tempos e metade de um tempo, o universo continuará a ser "inexplicável, satisfatoriamente, sem Deus". quando, porém, vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá. (1 Coríntios 13:10).

O Mito da "Matéria Escura" sob uma "Ótica Física Realista" - Parte 2

domingo, 14 de abril de 2013

Obras da Universidade Federal de Osasco - Só Mais Uma PAROLA PETISTA?!?


Universidade Virtual de Osasco, a história de uma obra que já existia desde há muito tempo, nas promessas do mensaleiro osasquense João Paulo Cunha, mas só nos outdoors e em todas campanhas dos petistas na cidade, em favor das candidaturas vitoriosas de Emídio de Souza, no final de 2004, como prefeito, de João Paulo Cunha com deputado Federal.

Até a data da eleição da atual presidenta Dilma ainda se conseguiu alguma capitalização favorável em função dessa falácia e, depois disso, não mais, por que toda mentira tem começo, tem meio e tem fim.

Obras da Universidade federal de Osasco - Terreno Abandonado

Em 2007 o projeto do campus Universidade Federal de Osasco (em Osasco) foi anunciado, como parte do Plano de Expansão do Ensino Superior do Governo Federal.

Desde então, o então ministro da Educação, Fernando Haddad (hoje atual prefeito da vizinha capital de São Paulo), recorrentemente confirma a construção da universidade no município (de Osasco).

Até o presidente Lula esteve em Osasco em 2008, às vésperas da bem sucedida campanha de reeleição à prefeitura da cidade de Osasco do Emídio, para reforçar a promessa. Entretanto, a construção da unidade NUNCA foi iniciada e NEM SEQUER o plano de obras foi elaborado.

Ainda em 2006 eles já haviam tido a "brilhante ideia" de espremer e tolher a FITO - Fundação do Instituto Tecnológico de Osasco, uma instituição com 40 anos de tradição na história do Ensino em Osasco, como uma possibilidade de abrigar a Universidade Federal de Osasco.

A partir dali, eles tentaram e fecharam alguns cursos da FITO. Alunos se mobilizaram e fizeram protestos contra o fechamento dos cursos.

A ideia brilhante incluía que os mesmos cursos que já eram oferecidos pela FAC-FITO (Administração, Ciências Contábeis e Economia) e que não foram fechados, fossem oferecido pela Universidade Federal e ainda nos mesmos prédios da Fito, aonde os alunos pagam para estudar e dividiram o mesmo espaço com alunos da U.F.O.

Enquanto isso, no entanto, o terreno do local aonde era realizado o rodeio de Osasco e, sobre o qual o presidente Lula lançara a "pedra fundamental" em Abril/2008 continuava abandonado (e continua até hoje, Abril de 2013), não obstante o fato de que, a área estava, anteriormente, registrada no patrimônio do Exército e não da União e houve a devida tramitação e hoje a área já pertence ao MEC.

Não há mais rodeio em Osasco e os moradores usam tal terreno da mesma forma que usam a algumas décadas: para o lazer e até para ensinar pessoas a dirigirem automóveis. Na época, o jornal com maior circulação na cidade de Osasco anunciou a abertura de inscrições para os primeiros cursos da UNIFESP, porém com os cursos a serem operados nas dependências da FAC-FITO.

Além do mais, com UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) = Universidade Federal de Osasco, significava que a Univ. Federal de Osasco seria administrada pela UNIFESP.

O prefeito reeleito Emídio alegava o seguinte: "Resolvemos ceder o espaço da FAC-FITO, pois a mesma tinha muitas dividas e concedemos o prédio ao governo federal para administrar a universidade". Ou seja, tentado se livrar das responsabilidades passando tudo que é publico municipal para outras entidades administrarem.

Em maio/2010, em Nota do Conselho de Entidades da Unifesp, o Reitor, Professor Walter Albertoni, já afirmou que não haveria mais improvisos no processo de expansão e atribuiu a culpa do episódio que "parecia demonstrar mais uma vez que os improvisos continuam e que, por interesses políticos injustificáveis," à prefeitura de Osasco.

Em termos de "números estatísticos", o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o que mais expandiu o acesso às universidades federais na história do país. Em oito anos, foram anunciadas 14 universidades e 125 campi novos.

Mas ainda em 2011, bastava um giro rápido pelas "novas universidades" e não era difícil decifrar aquela fantástica equação. A expansão foi feita na base do improviso. Como a construção de prédios levaria anos, as novas universidades tiveram de recorrer a uma espécie de “puxadinho” para receber as turmas novas. E isso não acontecia só em Osasco mas, Brasil afora.

Todavia, o caso que mais chamava a atenção ainda era o do campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) de Osasco. O terreno de mais de 200.000 metros quadrados, em que o presidente Lula, junto com a comitiva que reunia, entre outros, o ministro da Educação, Fernando Haddad, o prefeito de Osasco, Emídio de Souza, a então pré-candidata à prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, e o então governador de São Paulo, José Serra, plantou uma muda de jequitibá, continuava abandonado.

Em seu discurso de 2007 no local do terreno onde colocou-se a pedra inaugural, Lula fez questão de se referir à presença do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), um dos réus do processo do mensalão. “Se não fosse ele, essa universidade não sairia. Toda semana ele infernizava a vida do Fernando Haddad”, disse Lula.

Em poucos anos, apenas a placa que anunciava as instalações jazia caída no mato, ao lado de um local que virou despejo de lixo e não havia mais sinais da muda de jequitibá que Lula plantou. Mesmo assim, a federal de Osasco foi motivo de propaganda na eleição.

O reitor da Unifesp, Walter Albertoni, disse, na ocasião, que o terreno comprado pelo MEC, no qual já teriam sido gastos R$ 15 milhões como pagamento das primeiras parcelas, não havia sido e nem seria usado nos próximos anos. Segundo ele, a decisão é não iniciar nenhuma obra enquanto não terminar os outros campi, que estão atrasados.

Ele foi claro em relação às motivações para a criação da unidade: “A abertura do campus de Osasco tem origem em uma demanda política”, afirma. “A decisão surgiu de um entendimento do prefeito de Osasco com o então presidente da República e o ministro da Educação.”

Se por um lado o povo de Osasco foi se conformando com o malogro, por outro precisou dar uma resposta, também política: Em Outubro de 2012, o PT perde eleição a prefeito em Osasco (seria o terceiro mandato petista consecutivo) e perde também uma cadeira no legislativo. O Osasquense mostrando que, afinal, não é um eleitor néscio.

Apesar de os ELEITORES terem dado a RESPOSTA POLÍTICA CORRETA necessária, com o opositor Celso Giglio sendo o mais votado nas urnas, bem mais do que o candidato petista, como esse político osasquense também tem "problemas de ficha limpa" por questões de que ele próprio em administrações passadas teve contas recusadas pelo Tribunal de Contas, ele teve a sua candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral e, infelizmente, e Jorge Lapas (do PT embramador na questão da U.F.O.) foi proclamado prefeito pelo juiz eleitoral de Osasco.

Quais serão suas prioridades iniciais da administração de Lapas? Ele mesmo respondeu de própria voz, numa entrevista concedida ao Jornal Webdiário:

"Tenho projetos que não podem esperar o segundo ano, por exemplo, ... Também já falei com o ministro Aluízio Mercadante para que possamos começar a obra da Universidade Federal. Normalmente primeiro é feito a parte de habitação, por exemplo, mesmo o estudante que já está no prédio da FAC-FITO precisa de condições de moradia e poderíamos começar construindo as habitações."

Ou seja, depois de tantos anos, a "bendita obra da Universidade Federal", continua no corolário das ETERNAS PROMESSAS PETISTAS. Tomará que nas próximas eleições o candidato de oposição que seja politicamente viável, seja também, digno e honesto, dai defenestramos de uma vez por todas as PAROLAS PETISTAS da nossa querida cidade!

O mesmo prédio onde antes já funcionava a FAC-FITO (Faculdade da Fundação do Instituto Tecnológico de Osasco)
... agora é o mesmo prédio que hoje abriga a UNESP (Universidade de São Paulo - Campus Osasco)


Linques interessantes:

Revista Época

Entrevista e Jorge Lapas


Atualização 2015:



No primeiro semestre de 2014, o início das obras do campus definitivo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em Osasco foi previsto para o ano de 2015. O prazo foi informado pela secretária de Planejamento e Gestão de Osasco, Dulce Helena Cazzuni, durante audiência pública sobre a Unifesp Osasco, na segunda-feira, 16.

Um ano antes, em audiência pública anterior, a reitora, Soraya Smaili, havia afirmado que as obras do campus Osasco começariam em até nove meses, prazo que se encerrou em março de 2014, e nada.

Então, a secretária osasquense declarou que “em 2015 teremos, com certeza, o recurso garantido para executar o projeto e começar a construção”. Após iniciadas, as obras do futuro campus devem durar cerca de 18 meses. Dulce Helena atribui a demora à complexidade do projeto, que será executado com apoio da Prefeitura.

Todavia, o que vimos, foi que pelo mês de Julho de 2014 comaram as obras que, inegavelmente, já trouxeram algumas benfeitorias para a localidade, como o calçamento do passeio, que antes não havia (apesar de ser visando ciclovia) e a iluminação pública, que melhora a questão, principalmente da segurança na AV. Eucalipto.

No mais, assim que passaram as eleições em dois turnos de 2014, cujas vésperas foram acompanhadas pelo despejo de toneladas de "praguinha Dilma" (nome descritivo que vinha na etiqueta das caixas de planfetos impressos) as obras foram, aos poucos, sendo abandonadas, mais uma vez e, ao menos durante estes primeiros 3 meses do ano de 2015, praticamente mais nada foi feito ali.

Fora isso, em Setembro de 2015, Osasco perdeu mais uma e, no fim das contas, os osasquenses não têm nem a UNIFESP (em seu devido campus), e nem a FAC-FITO, fundada em 1968, que abrio falência e deu adeus. Dívidas de R$ 77 milhões impediam a FAC-FITO de oferecer FIES e PROUNI, e os 140 alunos matriculados foram remanejados para outras instituições.


A propósito:


A tradicional Festa de Peão de Osasco está de volta. Proibida através de Lei Municipal de 2006, e o artigo 36 e 41, especificamente proíbe mal tratos e montarias de rodeio. A Festa volta sem as montarias de competição, quando os animais, bois e cavalos, são usados nas disputas usando um cinto que aperta as genitálias. “O máximo que irá ter na nova festa é a prova do tambor, com mulheres lindas fazendo a disputa”, garantiu Tirola, um dos organizadores. A data e local ainda está sendo escolhido em comum acordo com a prefeitura e em breve será divulgada. Sobre a mudança da Lei pelo Legislativo, Tirola afirmou que nada foi mudado. “A lei continua valendo. Ela proíbe montarias de competição (rodeio) e isso não faremos”, garantiu.

fonte: http://www.movimentocountry.com/festa-de-peao-boiadeiro-de-osasco-pode-voltar-em-outubro/

sábado, 13 de abril de 2013

Não tens a obra? Só tens a fama! ... Não terás problemas em ser importante no Brasil!



"Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;" (Apocalipse 3:17)

Nunca passa pela cabeça de ninguém, digamos, dizer que Camões é um “escritor importante” – ele é, apenas, Camões. Não precisa ser chamado de “importante”; tem a fama porque tem a obra.

Mesmo Jesus Cristo, o maior homem que já viveu, a semente da linhagem do rei Davi, mesmo sendo rico, por amor de nós, se fez pobre, viveu pobre e morreu de um modo aparentemente miserável aos olhares humanos.

Já no caso das eminências com méritos desconhecidos, é o contrário: não têm a obra, só têm a fama. É um fenômeno muito comum na nossa cultura brasileira.

Não importa se uma pessoa tem ou não tem virtudes. Não importa, na verdade, o que tenha feito ou deixado de fazer. Basta conseguir que a chamem de “importante” – vai passar a vida inteira sendo adulada, sem que ninguém nunca saiba exatamente por quê, e sem que precise mostrar serviço.

É o que aconteceu com Eike Batista. Alguns anos atrás, ele começou a aparecer na mídia; logo ganhou dos jornalistas o certificado de “empresário importante”, e desde então é raro que se passem três dias seguidos sem que o seu nome seja citado em algum lugar.

Eike soube usar a credibilidade a seu favor para fazer grandes captações e se colocar entre os homens mais ricos do mundo. Todavia a casa caiu, porque no noticiário, ele permaneceu num eterno “vai” – vai fazer, vai investir, vai negociar, vai estudar, vai comprar, vender, associar-se, enquanto apenas captava. Não se falava, depois, nos resultados daquelas intenções todas. E quando bomba estoura, é o contribuinte que ainda paga o preço.


Por um lado, é a estatal brasileira Petrobras que está considerando lançar uma tábua de salvação para o atribulado magnata, na forma de contratos com o Grupo EBX, talvez por considerar que Eike Batista pode ser "grande demais para quebrar".

Uma intervenção do governo brasileiro, mesmo que indiretamente e, mesmo com os executivos da Petrobras alegando que as negociações com a EBX são parte de um negócio e não de uma ajuda, mostra como o Grupo EBX se tornou politicamente influente, mesmo sem apresentar os resultados prometidos e esperados.

Por outro é o "estranho caso" da licitação para a concessão da gestão do estádio Maracanã, que estava inicialmente prevista para ocorrer nesta quinta-feira (11/04) e que foi suspensa por uma liminar do TJ do Rio de Janeiro mas, que governo daquele estado informou na madrugada desta sexta-feira, 12, que a Justiça autorizou a licitação para a concessão, cassando a liminar.

Os promotores do M.P. alegam que a empresa IMX, de Eike Batista, não poderia estar como está, participando da licitação, porque teve acesso a informações privilegiadas. A companhia do empresário foi a responsável pelo estudo de viabilidade técnica do estádio.

Todo material que foi disponibilizado às outras licitantes foi produzido pela própria IMX, e é com base nisso que elas têm de se basear para apresentar suas próprias propostas. Isso é concorrência desleal.

No entanto, seus projetos personificam, politicamente, as ambições do Brasil de crescimento global para se tornar um grande exportador de petróleo, um moderno construtor de navios e outras ambições mais.

Pode ser por isso que o Brasil precisa que Eike triunfe. Todavia, em bases de tão baixos fundamentos de princípios, com decisões judiciais articuladas na calada das madrugadas, com atitudes de ética duvidosa, por mais que haja nos negócios a competência da visão em 360º, todo triunfo será sempre pífio.

Pobre Brasil!

Atualização:


A apresentação das propostas foi finalizada no início da tarde de 16/04, no Palácio Guanabara, sede do governo fluminense e, o consórcio Maracanã S.A., liderado pela empresa IMX, do empresário Eike Batista, apresentou a maior proposta financeira na licitação do complexo esportivo formado pelo Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã, e pelo Ginásio Esportivo Gilberto Cardoso, o Maracanãzinho.

A proposta de maior valor não significa vitória automática do grupo liderado pela IMX. Segundo o edital de licitação, o preço tem peso de 40% e a parte técnica tem peso de 60%.  O vencedor, que administrará o equipamento por 35 anos.

O grupo, que também conta com as empresas Odebrecht Participações e AEG Administração de Estádios do Brasil, ofereceu R$ 5,5 milhões por ano para administrar e explorar o complexo, totalizando R$ 181,5 milhões durante os 35 anos da concessão (dos quais dois, isentos de pagamento).

Enquanto as propostas eram reveladas, do lado de fora do palácio um protesto formado por integrantes da organização Comitê Popular Rio, que lidera a campanha “O Maraca é nosso”, marcou o lançamento da Consulta Pública Popular do Maracanã, para discutir as propostas de uso do complexo.

Alguém me perguntou: Por que se preocupar com um negócio que parece ser tão pequeno diante da totalidade dos negócios de Eike batista? Não é pela pessoa, em si, do Sr. Eike Batista e nem é, tão pouco, pelo "tamanho relativo do negócio" mas, é para mostrar aos desinformados, com que "lisura" os negócios realizados entre os setores "públicos" e "privados" continuam a ser conduzidos neste país, apesar de todas as falsas proclamações em contrário.


Investimento


O vencedor terá ainda que investir cerca de R$ 594 milhões em obras para adequar o complexo esportivo. Dentre as mudanças necessárias, estão as derrubadas do estádio de atletismo Célio de Barros e do parque aquático Júlio Delamare. Os equipamentos, no entanto, devem ser construídos em um local próximo. (sugiro que fiquemos de olho nisso).

O Governo do Estado acredita que o retorno no investimento será feito em até 12 anos para o consórcio vencedor. A estimativa é que as receitas anuais superem os R$ 154 milhões, contra despesas de R$ 50 milhões. (Observem que se isso estiver correto, o lucro é de R$ 104 milhões por ano ... nada desprezível)

Se a prefeitura do Rio, consegue, com essa operação, "livrar-se de encargos", então me expliquem por que ela está decidindo cancelar um repasse de R$ 8 milhões que faria neste ano à OSB (Orquestra Sinfônica Brasileira), alegando ter interrompido o apoio financeiro para investir na preparação da cidade para os dois grandes eventos esportivos que acontecem no Rio - Copa do Mundo de 2014 e Jogos de 2016.

O valor do repasse corresponderia a um quinto do orçamento da orquestra, que é de R$ 40 milhões, para 2013. A OSB contava com a contribuição financeira do município há quase 20 anos. O prefeito Eduardo Paes formalizou a suspensão da parceria por meio de uma carta assinada no dia 18 de março. (considerem que a OSB poderia ser uma das poucas coisas boas que realmente poeríamos oferecer aos olhos do mundo durante os eventos da copa de 2014).
Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
 
Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.